Todo País

Continente e Ilhas

Todo o Ano

Em horário alargado

Fale connosco

212 841 984

PALAVRAS COM CUIDADO

Aqui vamos falar de saúde mas também vamos partilhar histórias de coragem, experiências de superação, muitas dicas de bem-estar. Vamos trocar por miúdos terminologias médicas e descomplicar temas, vamos abordar a vida que acontece e lembrar vidas que aconteceram. Aqui as palavras são escritas com o cuidado que merece.

Terapia ocupacional na doença neurológica

O cérebro, cujo Dia Mundial se assinala a 22 de julho, é o maestro que comanda toda a orquestra que é o nosso corpo. Nem sempre lhe damos atenção, mas estamos sempre a fazer uso dele, mesmo enquanto dormimos.

À primeira vista, com a sua dimensão modesta e a superfície acinzentada, o cérebro não é o órgão mais cativante, mas é como aquele slogan antigo nos diz: "o mais importante é a beleza interior". Até porque consta que o cérebro humano integra cerca de 80 bilhões de neurónios, que em distância se assemelha a quatro voltas seguidas ao redor da Terra, e que estes em conjunto permitem estar constantemente a trocar informações com o corpo e o mundo à sua volta.

Em harmonia com o restante Sistema Nervoso Central (é isso mesmo, o cérebro é uma das partes do encéfalo que se encontra protegido no nosso crânio, fazendo jus à célebre expressão "a cabeça não serve só para pentear cabelo", é responsável por tudo o que fazemos, desde as tarefas mais simples, como segurar um copo com água ou vestir uma camisa, às mais complexas como andar, pensar, falar e até mesmo nos emocionarmos.

Pelo mencionado acima, ainda que falte notoriamente uma infinidade para ser dito, este órgão não poderia deixar de ser assinalado nos nossos calendários. O Dia Mundial do Cérebro acontece desde 2014, com o objetivo de destacar o papel do cérebro na nossa vida, assim como o papel que cada um de nós representa nele (individual e não só!) e potenciar a evolução da ciência neste âmbito. Desde então, a cada ano que passa, surge um tema novo. "Saúde do Cérebro para Todos'' é o tema de 2022 que evoca a partilha de informações fundamentais acerca de consciencialização, prevenção, advocacia, educação e acesso. Na medida que a promoção da saúde do cérebro em larga escala sobre o impacto das doenças do cérebro pode mudar bilhões de vidas para melhor.

E porquê focar nas doenças do cérebro, perguntar-se-á?
São uma das principais causas de morte e incapacidade em todo o mundo. Nesta categoria enquadra-se o Acidente Vascular Encefálico, a Demência, a Doença de Parkinson, a Esclerose Múltipla, entre muitas outras. Estas doenças podem levar a uma incapacidade (parcial/total) do desempenho em qualquer tipo de atividade quotidiana, bem como implicar mudanças profundas no dia a dos doentes e diminuir significativamente a qualidade de vida.

E qual a profissão que se preocupa quando as pessoas não realizam as atividades do seu dia a dia?
Nada mais, nada menos que a Terapia OcupacionalTrata-se de uma profissão na área da saúde que se centra na participação das pessoas nas suas atividades do quotidiano, desde as mais simples às mais complexas, em diferentes contextos. A sua abordagem foca-se na prevenção, capacitação e modificação, com vista a manter ou ampliar a autonomia, independência e/ou funcionalidade, contribuindo para a saúde e qualidade de vida da pessoa e das pessoas que a rodeiam.

Nada como uns exemplos para perceber melhor:

  • Utente com diagnóstico de Acidente Vascular Encefálico menciona dificuldades em vestir-se devido ao braço lesado. A Terapia Ocupacional poderia fazer o treino de Atividades de Vida Diária, focado no vestir/despir, fornecendo técnicas e/ou estratégias (p.e. vestir primeiro o lado afetado), sugerir produtos de apoio (p.e. aperta botões com uma mão), sugerir a confeção de órtotese para manter o braço numa posição natural;
  • Utente com diagnóstico de Doença de Alzheimer, com défice cognitivo ligeiro, menciona que nem sempre toma a medicação como deveria por esquecimento. A Terapia Ocupacional poderia contribuir para a gestão da toma da medicação com a criação de uma tabela com informação da medicação, treino de porta comprimidos, sugerir uso de lembretes e despertadores no telemóvel e/ou uso de lembretes visuais de fácil acesso. Assim como intervir com estimulação cognitiva para preservação da memória.
  • Utente com diagnóstico de Esclerose Múltipla destaca a fadiga como impedimento da realização das atividades diárias, em especial a higiene pessoal. A Terapia Ocupacional poderia contribuir para o controlo da fadiga estabelecendo um esquema diário de atividades, transmitindo estratégias de conservação de energia (p.e. toma de banho num banco/cadeira apropriada, uso de esponja de cabo longo, secar-se na posição sentada com um roupão vestido) ou recomendar adaptações do espaço (p.e. implementação de barras de apoio e integração de cadeira giratória para banheira).

A saúde do cérebro está, em grande parte, nas nossas mãos. Não é novidade que uma rotina saudável – alimentação equilibrada, exercício físico e mental, socialização, descanso e exposição ambiental adequados – são fundamentais para manter a saúde mental e prevenir doenças relacionadas. No entanto, quando a nossa atividade, participação e funcionalidade estão em risco, podemos e devemos procurar ajuda, junto de quem intervém nesta área, um Terapeuta Ocupacional.


Leia também o artigo sobre Avaliação Neurológica.


Classifique este blog:
14
Praias para todos?
O afogamento da M.

Related Artigos

 

© Fisiolar - Todos os direitos reservados.