Todo País

Continente e Ilhas

Todo o Ano

Em horário alargado

Fale connosco

212 841 984

PALAVRAS COM CUIDADO

Aqui vamos falar de saúde mas também vamos partilhar histórias de coragem, experiências de superação, muitas dicas de bem-estar. Vamos trocar por miúdos terminologias médicas e descomplicar temas, vamos abordar a vida que acontece e lembrar vidas que aconteceram. Aqui as palavras são escritas com o cuidado que merece.

A importância da consciência fonológica e como os pais podem ajudar os filhos a desenvolvê-la

Consciência fonológica

A consciência fonológica é a capacidade metalinguística que permite identificar, analisar e manipular, de forma consciente, a estrutura fonológica da linguagem oral (Sim-Sim, 1998; Freitas, 2004 e Nascimento, 2009).

Esta capacidade permite à criança, de forma voluntária, prestar atenção aos sons da fala e não ao significado da frase. Desta forma, a criança consegue identificar que o discurso é formado por um conjunto de frases, que estas podem ser segmentadas em palavras, as palavras em sílabas e as sílabas em unidades mínimas - os fonemas.

Por conseguinte, a criança consegue identificar, isolar, manipular, combinar e segmentar (mentalmente e/ou oralmente) os segmentos fonológicos da língua. Um exemplo disso é perceber que a palavra "bolo" tem duas sílabas, que a primeira é "bo" e a segunda "lo". Se trocarmos a ordem das sílabas ficamos com "lobo", uma nova palavra.


Consciência fonológica e aprendizagem da leitura e escrita

A criança aprende a falar imitando os seus modelos comunicacionais (pais, irmãos, avós, educadores, entre outros), de forma natural, através da interação social.

Aprender a ler e a escrever não é um processo tão natural como aprender a falar (Freitas, Alves e Costa, 2007). Por exemplo: quando o adulto dita uma frase para a criança escrever, esta necessita perceber que a frase é formada por várias palavras com espaços entre elas. Precisa reconhecer que as palavras são formadas por sílabas e estas são formadas pelos sons que as compõem.

Exemplo: quando a criança escreve a frase "O gato pula.", a criança deve perceber que:

  • Nesta frase há dois espaços e um ponto final;
  • O som inicial é /u/ mas deve escrever com "O";
  • A palavra "gato" tem duas sílabas "ga – to" e a palavra "pula" também;
  • A primeira sílaba de "gato" é "ga", ou seja, "g + a" e a segunda sílaba é "to", ou seja, "t + o";
  • A primeira sílaba de "pula" é "pu", ou seja, "p + u" e a segunda sílaba é "la", ou seja, "l + a".

De acordo com os dados do Progress in International Reading Literacy Study (2011), o que prediz o sucesso da aprendizagem na leitura é o conhecimento que a criança tem sobre o alfabeto. Este conhecimento é fornecido através da consciência fonológica. Outros estudos reforçam a influência mútua entre o desenvolvimento da consciência fonológica e a aquisição da linguagem escrita (Lima, 2014).

O desenvolvimento da consciência fonológica não é igual em todas as crianças, isto porque cada criança é única e com um desenvolvimento próprio. No entanto, de forma geral, entre os 3 - 4 anos as crianças começam a produzir as rimas de forma lúdica, podendo criar deturpações voluntárias e criar novas palavras (exemplo: "limão/melão" pode dizer "memão") (Freitas, Alves e Costa, 2007).

Aos 4 anos, as crianças manifestam a capacidade de segmentar palavras compostas por duas sílabas (exemplo: "va-ca") contudo, revelam maior dificuldade em palavras polissilábicas (exemplo: "e-le-fan-te"). Aos 5 anos, as crianças começam a desenvolver a noção de sílaba e com o aproximar dos 6 anos, as crianças conseguem manipular essas sílabas (Freitas, Alves e Costa, 2007).

A consciência fonológica é uma competência que pode ser desenvolvida de forma lúdica, em contexto formal ou informal. O objetivo das seguintes atividades é promover essa aprendizagem de forma divertida e agradável.


Algumas atividades que promovem a consciência fonológica


Atividade 1- Rimas

  • Em família podem cantar algumas canções com rimas, como "O balão do João";
  • Dispor vários animais (gato, leão, vaca, cão e pato) e dizer "ga - to" rima com "pa - to" (exagerar na sílaba "to"). Pode-se fazer o mesmo para "cão/leão";
  • Numa folha com quatro ou cinco imagens, colocar duas que rimem e a criança deve pintar as imagens que rimam;
  • Dizer provérbios e a criança deve descobrir as palavras que rimam. Por exemplo: "Em Abril, águas mil"; "Galinha cantadeira é pouco poedeira".
  • Esta atividade pode ser usada no quotidiano da família. Pode-se dizer frases reais ou outras absurdas (exemplo: o bolo é tolo") de modo a que a criança se ria e corrija. Alguns exemplos podem ser enquanto a criança se veste (exemplo: "a meia não é feia"; "o gato/pato usa sapato"), faz a sua higiene pessoal (exemplo: "o pente lava o dente"), no caminho para a escola (exemplo: "vais para a escola e leva a cola/bola"), em passeio (exemplo: "vamos ao parque ver o sol e o caracol"), enquanto a criança come (exemplo: "come o pão com a mão").

As seguintes atividades estão relacionadas com a noção de sílaba que forma a palavra. No sentido de facilitar essa perceção, é importante que as sílabas sejam representadas fisicamente, por exemplo, recorrendo a lápis, carrinhos, pequenas bolas de brincar ou bater palmas. Pretende-se que a cada representação física corresponda uma sílaba das palavras a treinar.

É importante que as palavras utilizadas, nas seguintes atividades, sejam objetos ou brinquedos (animais, frutas, roupas, bonecos) que a criança goste.

Atividade 2 – Segmentação silábica

  • Escolher um brinquedo / objeto e dizer o seu nome em voz alta (ou perguntar à criança como se chama), por exemplo "vaca". Depois dividir a palavra em sílabas enquanto bate palmas dizendo "va – ca", demonstrando que a palavra "vaca" tem duas sílabas;
  • Fazer o exercício anterior trocando as palmas por representações físicas (lápis, carrinhos, bolas pequenas de brincar) e a cada uma corresponde uma sílaba;
  • Durante as refeições pode-se usar vários alimentos como, por exemplo, a batata. Esta deve ser partida em três bocadinhos e dizer "ba-ta-ta" (a cada pedaço de batata corresponde uma sílaba);
  • Esta atividade pode ser usada enquanto a criança se veste, faz a sua higiene pessoal, no caminho para a escola, na praia, em passeios e em tantas outras possibilidades. O importante é que seja lúdico e atrativo.

Atividade 3 – Identificação da sílaba

  • Apontar para o pé da criança e dizer que a palavra "pé" só tem uma sílaba (pé). Fazer o mesmo para outras palavras monossilábicas como "pá", "eu", "cão";
  • Escolher um objeto, dizer o nome em voz alta (ou perguntar à criança como se chama) e dividir essa palavra em sílabas. Perguntar à criança onde está uma sílaba. Por exemplo: a palavra "foca" tem duas sílabas "fo" e "ca", depois perguntar onde está a primeira sílaba e depois a última;
  • Escolher um objeto, dizer o nome em voz alta (ou perguntar à criança como se chama) e dividir essa palavra em sílabas. Depois perguntar onde está uma sílaba. Por exemplo: "mo – ran – go" e perguntar onde está "mo". Depois perguntar onde está o "ran ou o "go"

Nota: o objetivo é começar com palavras monossilábicas ou dissilábicas e de estrutura simples ("pé", "bola") e ir progredindo para palavras com mais sílabas e com estrutura mais complexa ("camisola"; "frigorífico").

Atividade 4 – Nomeação da sílaba

Esta atividade é muito parecida com a atividade anterior de identificação da sílaba, porém nesta atividade pede-se à criança que diga a sílaba em voz alta.

  • Escolher um objeto, dizer o nome em voz alta (ou perguntar à criança como se chama) e dividir essa palavra em sílabas. Depois perguntar como se chama a primeira sílaba. Por exemplo: "to – ma – te" perguntar como se chama a primeira sílaba;
  • Exercício igual ao anterior, mas perguntar como se chama a última sílaba ou a sílaba do meio.

Atividade 5 - Omissão da sílaba inicial

  • Pegar num limão de brincar ou verdadeiro e dizer que a palavra tem duas sílabas "li – mão", ao retirar a primeira (li) fica a palavra "mão";
  • Pegar numa galinha de brincar e dizer que a palavra tem três sílabas "ga – li – nha", ao retirar a primeira (ga) fica a palavra "linha";
  • Pegar num sapato de brincar ou num da criança e dizer que palavra tem três sílabas "sa – pa – to", ao retirar (sa) fica a palavra "pato";
  • Pegar numa ovelha de brincar e dizer que a palavra tem três sílabas "o – ve – lha", ao retirar a primeira (o) fica a palavra "velha".

Atividade 6 - Omissão da sílaba final

  • A palavra "pata" tem duas sílabas "pa – ta", ao retirar a última (ta) fica a sílaba "pa";
  • A palavra "bolota" tem três sílabas "bo – lo – ta", ao retirar a última (ta) fica a palavra "bolo";
  • A palavra "camisola" tem quatro sílabas "ca – mi – so – la", ao retirar a última (la) fica uma não palavra que é "camiso".

Atividade 7 - Adição de sílaba inicial ou final de palavra

  • A palavra "pato" tem duas sílabas, ao juntar a sílaba "sa" antes da palavra "pato" forma-se a palavra "sapato";
  • A palavra "maca" tem duas sílabas, ao juntar a sílaba "co" no fim, forma-se a palavra "macaco".

Existem inúmeras atividades de consciência fonológica, isto porque a consciência fonológica é muito mais que rimas e sílabas. O que se pretende é que através da brincadeira haja um desenvolvimento desta competência, dada a sua importância na aprendizagem da leitura e da escrita.

É crucial que a criança desenvolva a consciência fonológica e outras competências orais antes da aprendizagem da leitura e da escrita. Caso surjam alterações, é pertinente consultar um terapeuta da fala. Este profissional realizará uma rigorosa e aprofundada avaliação.

Classifique este blog:
14
Fisioterapia Respiratória Pediátrica: Para que ser...
Afinal o que é uma Bronquiolite?

Related Artigos

 

© Fisiolar - Todos os direitos reservados.