Todo País

Continente e Ilhas

Todo o Ano

Em horário alargado

Fale connosco

212 841 984

PALAVRAS COM CUIDADO

Aqui vamos falar de saúde mas também vamos partilhar histórias de coragem, experiências de superação, muitas dicas de bem-estar. Vamos trocar por miúdos terminologias médicas e descomplicar temas, vamos abordar a vida que acontece e lembrar vidas que aconteceram. Aqui as palavras são escritas com o cuidado que merece.

Jejum intermitente na primeira pessoa

Desde tenra idade que a Inês usava a comida como forma de se recompensar ou de se castigar, mas um dia isso mudou. A criança cheinha que sempre fora, dera lugar a uma adolescente sem problemas aparentes de peso. A adolescente Inês privara o seu corpo de alimento de uma forma tão violenta, que se vira obrigada a ter acompanhamento numa consulta de distúrbios alimentares. Na cabeça da Inês era o peso que a definia como pessoa, mas estava tão errada…

Ao entrar na fase adulta da sua vida aconteceu o oposto. Comia porque estava cansada, comia exageradamente porque estava feliz, comia o que não devia sempre que estava triste, enfim, a Inês comia muito mais do que precisava e consequentemente foi ganhando peso, cada vez mais, até ficar obesa.

A Inês casou-se, foi mãe e foi acrescentando cada vez mais números na balança. Aos 35 anos já tinha experimentado todo o tipo de dietas, a dos famosos, a dieta de só comer sopa de tomate, a do médico espanhol e tinha consultado vários nutricionistas mas sempre sem sucesso a longo prazo. A Inês perdia peso enquanto era acompanhada, mas assim que atingia o peso pretendido e deixava de ter acompanhamento o peso voltava e ainda trazia de bónus mais alguns quilos.

Definitivamente este não era o caminho para a Inês, sentia-se triste, desiludida consigo própria e estava constantemente a auto sabotar-se, mais uma vez, na cabeça da Inês era o peso que a definia…

Foi já perto dos 40 anos, quando começou a ter problemas sérios de saúde que a Inês ouviu falar pela primeira vez de um plano alimentar que não era uma dieta, mas sim um estilo de alimentação que privilegiava grandes períodos de jejum, durante os quais o corpo passava por várias fases de desintoxicação.

A Inês procurou saber mais sobre este "jejum intermitente", consultou um nutricionista que aplicava este método e finalmente obteve resultados duradouros. Sem suplementos, sem químicos, sem imposições, a Inês deixou de usar a comida para compensar o seu estado emocional e começou a tirar proveito da energia que sentia enquanto fazia jejum. Na janela temporal em que se podia alimentar, escolhia alimentos que a nutrissem verdadeiramente, a chamada comida de verdade!

A Inês ganhou energia, vitalidade e finalmente conseguiu sentir que não fazia dieta para manter o peso, apenas mudou as horas em que se alimentava. A Inês tem agora 43 anos, um peso saudável e nunca se sentiu tão bem.

A Inês mantém o jejum intermitente, deixou de ter compulsões alimentares e sente-se feliz com este estilo de vida!

Texto ficcional baseado em fatos reais.
Classifique este blog:
11
Há liberdade sem controlo ou vice-versa?
Aquele abraço

Related Artigos

 

© Fisiolar - Todos os direitos reservados.