Todo País

Continente e Ilhas

Todo o Ano

Em horário alargado

Fale connosco

212 841 984

PALAVRAS COM CUIDADO

Aqui vamos falar de saúde mas também vamos partilhar histórias de coragem, experiências de superação, muitas dicas de bem-estar. Vamos trocar por miúdos terminologias médicas e descomplicar temas, vamos abordar a vida que acontece e lembrar vidas que aconteceram. Aqui as palavras são escritas com o cuidado que merece.

Como lidar com a ansiedade no regresso às rotinas?

Como mãe de dois, uma criança e um jovem adulto, já passei por todas as fases de regresso às rotinas pós-férias. São fases complicadas nas várias etapas escolares dos filhos e nas várias etapas da vida profissional em que nos encontramos. Na nossa sociedade, o peso da organização familiar ainda recai excessiva ou exclusivamente sobre a mulher. Mas também nos é difícil delegar no pai ou companheiro essa organização. Temos medo de perder o controle ou de que alguma coisa possa falhar. A verdade é que a mulher tem mais capacidade para gerir vários temas em simultâneo, é o chamado multitasking, mas esta capacidade leva à exaustão emocional e física elevando os níveis de ansiedade.

Quando regressamos de férias já vamos cansadas por tudo aquilo que sabemos que temos que tratar, gerir horários escolares com as atividades extras, inscrições e pagamentos, compra de livros e material escolar, roupa que já não serve, sapatilhas, passes, refeições… e ainda o nosso emprego, cuidar da casa e um sem fim de tarefas que nos autoatribuímos.

Ao longo destes 19 anos de maternidade aprendi que não temos que fazer tudo de forma perfeita, quanto maior a exigência maior a ansiedade. O planeamento é um bom aliado, mas não é preciso fazer um plano novo a cada ano, é replicar o que se tem vindo a fazer e que funcionou.

Aprendi também que não vale a pena sofrer por antecipação, se surgir alguma situação mais complicada é gerida no momento.

Nem sempre é fácil o malabarismo entre as responsabilidades familiares e os horários de trabalho, mas não há nada como falar com a entidade patronal e tentar arranjar um equilíbrio neste mês que é sempre mais complicado. Tive fases da minha vida em que fazia apenas 30 minutos de almoço para poder sair meia hora mais cedo e ir buscar o meu bebé de 1 ano às 18h em vez de chegar à escola às 18.30. Fez toda a diferença nesse ano em que era muito pequeno para chegar a casa tão tarde.

Outro truque que faço nas férias é ir preparando no telemóvel uma lista de pratos com a respetiva lista de compras e vou organizando as ementas semanais para uns quantos meses. Facilita em tudo, finais de dia mais leves e compras mais eficientes. E não menos importante, compras da semana online, com entrega em casa ou recolha no drive. E não são só as compras de supermercado, mesmo a roupa dos miúdos trato online, poupo tempo em deslocações, cansaço e fico com mais tempo para a família.

Nos dias mais complicados em que vejo que nem tempo vou ter para fazer o jantar recorro ao improviso, o marido vai buscar um frango ou cada um come o que quer e vale tudo!

Houve tempos em que colocava as tarefas da casa à frente de qualquer outro programa, demorei algum tempo a perceber que a minha felicidade não vinha de ter a casa em modo museu imaculado, mas da satisfação que me dava terminar cada tarefa. Mudei o chip quando percebi que programas em família por mais simples que fossem podiam também ser tarefas que quando "concluídas" me davam essa satisfação, acrescida de que todos a valorizavam; já a casa imaculada…

Quando sinto que a ansiedade se começa a instalar repito um pequeno mantra "vai correr tudo bem, mais vale feito do que perfeito".

Não é um processo fácil, mas é imprescindível que eliminemos da nossa vida os gatilhos que despoletam a ansiedade. Slow living, ou viver devagar é o caminho para uma vida mais tranquila em que se praticam rituais em vez de rotinas. Já pensou que a rotina de deitar as crianças pode ser vista de forma mais agradável se for feito um pequeno ritual que inclua por exemplo a mãe ou o pai lerem umas páginas de um livro e a seguir darem as boas noites a todos os peluches?! Ou quando já sabem ler, serem os filhos a lerem para os pais? A diferença é que de um momento que pode ser de ansiedade para ambos passa a ser um momento de bem-estar. E podemos levar este ensinamento para várias alturas do nosso dia, no trânsito ouça um podcast ou leia nos transportes públicos. Transforme rotinas em rituais agradáveis.

Bom e leve regresso!

Classifique este blog:
11
Igualdade de género no emprego
O dia em que ela desistiu de viver

Related Artigos

 

© Fisiolar - Todos os direitos reservados.