Todo País

Continente e Ilhas

Todo o Ano

Em horário alargado

Fale connosco

212 841 984

PALAVRAS COM CUIDADO

Aqui vamos falar de saúde mas também vamos partilhar histórias de coragem, experiências de superação, muitas dicas de bem-estar. Vamos trocar por miúdos terminologias médicas e descomplicar temas, vamos abordar a vida que acontece e lembrar vidas que aconteceram. Aqui as palavras são escritas com o cuidado que merece.

A Lombalgia ‘Inespecífica’ e a Intervenção Fisioterapêutica

​As lombalgias são bastante frequentes em todo o mundo e representam, a nível mundial, a principal causa de incapacidade. Após um primeiro episódio, entre 44% a 78% dos indivíduos sofrem reincidências. 

A forma mais comum de lombalgia é a não específica, que corresponde a 90% dos casos. Apesar da sua alta incidência, na maioria dos casos, a fonte de dor não é identificável e o termo "dor lombar inespecífica" é muitas vezes aplicado, visto que não pode ser atribuída de forma exata e fiável a uma condição específica subjacente (por exemplo, um cancro). 

Apenas 1% a 2% dos indivíduos com dor na coluna têm uma patologia grave. A prevalência de lombalgia radicular é de cerca de 12%, mais frequentemente causada por hérnia discal. Embora possam ser observadas alterações degenerativas em doentes com distúrbios espinhais inespecíficos, tal condição é comum e relacionada com a idade, sendo que a sua presença se correlaciona fracamente com a presença e gravidade dos sintomas. 

Assim, de acordo com a International Classification of Diseases 11 (ICD-11), a lombalgia inespecífica é classificada como "dor primária crónica localizada". 

A dor primária crónica localizada engloba uma ou mais regiões anatómicas, persiste ou repete-se por mais de três meses, está associada a angústia emocional significativa ou incapacidade funcional significativa e não pode ser explicada por outra condição. Para além disso, é já considerada uma doença e não um sintoma. 

As abordagens atuais reconhecem a etiologia multifatorial da lombalgia inespecífica e a necessidade de adotar um modelo biopsicossocial ao lidar com a condição. Um fator que tem sido indicado como preponderante na origem e persistência da lombalgia inespecífica, é a estabilidade e falta de controlo da coluna vertebral. 

Os fisioterapeutas têm conhecimentos para avaliar as disfunções do movimento, e nas pessoas com dor, essas disfunções são individuais e específicas, podem estar dependentes de tarefas e podem variar de leves a significativas. Uma avaliação minuciosa e individual assume assim extrema importância, uma vez que a dor tanto pode causar inibição motora (por exemplo, fraqueza), como noutros casos ocorrer facilitação motora (como é o caso do aumento da tensão muscular). Em condições de lombalgia inespecífica, o fisioterapeuta pode identificar dor associada à fadiga e disfunção do sono, ao medo do movimento e a fraqueza muscular, por exemplo. Em função dessa avaliação, é possível direcionar a intervenção terapêutica ao mecanismo da condição, o que pode incluir: 

  • Exercício físico
  • Educação 
  • Educação Terapêutica em Neurociência (TNE) 
  • Terapia Manual 
  • Mindfulness 
  • TENS (Neuroestimulação Elétrica Transcutânea) 
  • Biofeedback 

​Referências

Chimenti, RL., Frey-Law, LA., & Sluka, KA. (2018). A Mechanism-Based Approach to Physical Therapist Management of Pain. Physical therapy, 98(5), 302–314. https://doi.org/10.1093/ptj/pzy030
Chou, R., Côté, P., Randhawa, K. et al. (2018). The Global Spine Care Initiative: applying evidence- based guidelines on the non-invasive management of back and neck pain to low- and middle-income communities. Eur Spine J 27, 851–860 https://doi.org/10.1007/s00586-017-5433-8
Diener I, Kargela M & Louw A(2016): Listening is therapy: Patient interviewing from a pain science perspective, Physiotherapy Theory and Practice, DOI: 10.1080/09593985.2016.1194648
Macedo, LG., et al (2010). Graded Activity and Graded Exposure for Persistent Nonspecific Low Back Pain: A Systematic Review, Physical Therapy, Volume 90, Issue 6, 1 June 2010, Pages 860–879, https://doi.org/10.2522/ptj.20090303
Macedo LG, Maher CG., Latimer J, McAuley JH, (2009). Motor Control Exercise for Persistent, Nonspecific Low Back Pain: A Systematic Review, Physical Therapy, Volume 89, Issue 1, 1 January 2009, Pages 9–25, https://doi.org/10.2522/ptj.20080103
Maher C, Underwood M & Buchbinder R. (2017). Non-specific low back pain, The Lancet,Volume 389, Issue 10070,2017,Pages 736-747,ISSN 0140-6736,https://doi.org/10.1016/S0140-6736(16)30970-9.
Treede, R-D., et al., (2019). Chronic pain as a symptom or a disease: the IASP Classification of Chronic Pain for the International Classification of Diseases (ICD-11). Pain, 160(1), 19-27. https://doi.org/10.1097/j.pain.0000000000001384
Treede, R-D., et al., (2015). A classification of chronic pain for ICD-11, PAIN: June 2015 - Volume 156 - Issue 6 - p 1003-1007 doi: 10.1097/j.pain.0000000000000160
Wu A., et al., (2020). Global low back pain prevalence and years lived with disability from 1990 to 2017: estimates from the Global Burden of Disease Study 2017. Ann Transl Med 2020;8(6):299. doi: 10.21037/ atm.2020.02.175

Classifique este blog:
11
Começar e Recomeçar
A Avaliação Neuropsicológica

Related Artigos

 

© Fisiolar - Todos os direitos reservados.