Todo País

Continente e Ilhas

Todo o Ano

Em horário alargado

Fale connosco

212 841 984

A Lombalgia ‘Inespecífica’ e a Intervenção Fisioterapêutica

​As lombalgias são bastante frequentes em todo o mundo e representam, a nível mundial, a principal causa de incapacidade. Após um primeiro episódio, entre 44% a 78% dos indivíduos sofrem reincidências. 

A forma mais comum de lombalgia é a não específica, que corresponde a 90% dos casos. Apesar da sua alta incidência, na maioria dos casos, a fonte de dor não é identificável e o termo "dor lombar inespecífica" é muitas vezes aplicado, visto que não pode ser atribuída de forma exata e fiável a uma condição específica subjacente (por exemplo, um cancro). 

Apenas 1% a 2% dos indivíduos com dor na coluna têm uma patologia grave. A prevalência de lombalgia radicular é de cerca de 12%, mais frequentemente causada por hérnia discal. Embora possam ser observadas alterações degenerativas em doentes com distúrbios espinhais inespecíficos, tal condição é comum e relacionada com a idade, sendo que a sua presença se correlaciona fracamente com a presença e gravidade dos sintomas. 

Assim, de acordo com a International Classification of Diseases 11 (ICD-11), a lombalgia inespecífica é classificada como "dor primária crónica localizada". 

A dor primária crónica localizada engloba uma ou mais regiões anatómicas, persiste ou repete-se por mais de três meses, está associada a angústia emocional significativa ou incapacidade funcional significativa e não pode ser explicada por outra condição. Para além disso, é já considerada uma doença e não um sintoma. 

As abordagens atuais reconhecem a etiologia multifatorial da lombalgia inespecífica e a necessidade de adotar um modelo biopsicossocial ao lidar com a condição. Um fator que tem sido indicado como preponderante na origem e persistência da lombalgia inespecífica, é a estabilidade e falta de controlo da coluna vertebral. 

Os fisioterapeutas têm conhecimentos para avaliar as disfunções do movimento, e nas pessoas com dor, essas disfunções são individuais e específicas, podem estar dependentes de tarefas e podem variar de leves a significativas. Uma avaliação minuciosa e individual assume assim extrema importância, uma vez que a dor tanto pode causar inibição motora (por exemplo, fraqueza), como noutros casos ocorrer facilitação motora (como é o caso do aumento da tensão muscular). Em condições de lombalgia inespecífica, o fisioterapeuta pode identificar dor associada à fadiga e disfunção do sono, ao medo do movimento e a fraqueza muscular, por exemplo. Em função dessa avaliação, é possível direcionar a intervenção terapêutica ao mecanismo da condição, o que pode incluir: 

  • Exercício físico 
  • Educação 
  • Educação Terapêutica em Neurociência (TNE) 
  • Terapia Manual 
  • Mindfulness 
  • TENS (Neuroestimulação Elétrica Transcutânea) 
  • Biofeedback 

​Referências

Chimenti, RL., Frey-Law, LA., & Sluka, KA. (2018). A Mechanism-Based Approach to Physical Therapist Management of Pain. Physical therapy, 98(5), 302–314. https://doi.org/10.1093/ptj/pzy030
Chou, R., Côté, P., Randhawa, K. et al. (2018). The Global Spine Care Initiative: applying evidence- based guidelines on the non-invasive management of back and neck pain to low- and middle-income communities. Eur Spine J 27, 851–860 https://doi.org/10.1007/s00586-017-5433-8
Diener I, Kargela M & Louw A(2016): Listening is therapy: Patient interviewing from a pain science perspective, Physiotherapy Theory and Practice, DOI: 10.1080/09593985.2016.1194648
Macedo, LG., et al (2010). Graded Activity and Graded Exposure for Persistent Nonspecific Low Back Pain: A Systematic Review, Physical Therapy, Volume 90, Issue 6, 1 June 2010, Pages 860–879, https://doi.org/10.2522/ptj.20090303
Macedo LG, Maher CG., Latimer J, McAuley JH, (2009). Motor Control Exercise for Persistent, Nonspecific Low Back Pain: A Systematic Review, Physical Therapy, Volume 89, Issue 1, 1 January 2009, Pages 9–25, https://doi.org/10.2522/ptj.20080103
Maher C, Underwood M & Buchbinder R. (2017). Non-specific low back pain, The Lancet,Volume 389, Issue 10070,2017,Pages 736-747,ISSN 0140-6736,https://doi.org/10.1016/S0140-6736(16)30970-9.
Treede, R-D., et al., (2019). Chronic pain as a symptom or a disease: the IASP Classification of Chronic Pain for the International Classification of Diseases (ICD-11). Pain, 160(1), 19-27. https://doi.org/10.1097/j.pain.0000000000001384
Treede, R-D., et al., (2015). A classification of chronic pain for ICD-11, PAIN: June 2015 - Volume 156 - Issue 6 - p 1003-1007 doi: 10.1097/j.pain.0000000000000160
Wu A., et al., (2020). Global low back pain prevalence and years lived with disability from 1990 to 2017: estimates from the Global Burden of Disease Study 2017. Ann Transl Med 2020;8(6):299. doi: 10.21037/ atm.2020.02.175

Classifique este blog:
3
Começar e Recomeçar
A Avaliação Neuropsicológica

Related Artigos

 

© Fisiolar - Todos os direitos reservados.