Fisiolar

Fisiolar_escolha-consumidor-24

A problemática das quedas na população idosa

Sexta-feira, 28 Outubro, 2016

A população idosa tem problemas e necessidades específicas e sabe-se que as quedas são uma problemática comum e séria nesta população, uma vez que estão associadas elevados níveis de mortalidade, morbilidade, hospitalizações, institucionalizações precoces e igualmente à diminuição das capacidades funcionais e da realização de atividades da vida diária (American Geratrics Society et al, 2001).

Diversos estudos reportam que assim como a incidência, a severidade das quedas também aumenta a partir dos 60 anos. Na população idosa, estima-se que aproximadamente 35% a 40% caiam anualmente. Em cada ano, aproximadamente 30% dos idosos independentes (nos países desenvolvidos) caiem pelo menos uma vez, enquanto que 10 a 20% caiem duas vezes ou mais (American Geratrics Society et al, 2001). Estudos revelam que depois dos 75 anos de idade essa percentagem aumenta ainda mais (Campbell et al, 1990; Rubenstein et al, 2002).

Ademais foi também investigado que a taxa de mortalidade devido a quedas aumenta drasticamente com a idade, contribuindo para 70% das mortes acidentais em pessoas com mais de 75 anos (Fuller, 2000). Estudos que comparam idosos que sofreram ou não quedas revelam um elevado declínio funcional na realização de atividades da vida diária, atividades físicas e sociais (Kiel et al, 1991) e ainda um risco aumentado de serem subsequentemente institucionalizados nos idosos vítimas de uma queda (Tinetti et al, 1993).

As consequências de uma queda são devastadoras ...

Como é possível notar, as consequências de uma queda são inegavelmente devastadoras nesta população. Segundo um estudo realizado por Coogler et al (1999, citado por Fuller, 2000), 25% dos idosos que sofre uma fratura do cólo do fémur morre nos seis meses posteriores ao episódio de queda e a taxa de mortalidade um ano após a fratura varia de 12% a 40%. 

A esperança média de vida diminui entre 10 a 15% nestas situações, ocorrendo dessa forma uma diminuição significativa da qualidade de vida; menos de 30% dos idosos que sofreram fraturas da extremidade próximal do fémur devido a uma queda, voltam a ter um nível de funcionalidade equivalente ao que tinham antes da fratura; mais de 50% dos idosos que sobrevivem ao episódio de fratura são institucionalizados e destes cerca de metade continuam institucionalizados ao fim de um ano (Dunn et al, 1992).

Conclusão

Em suma, sabe-se que as consequências das quedas não são apenas físicas, existem também fatores psicológicos que podem influenciar ou determinar a incapacidade após uma queda. Por todos estes motivos, é fundamental que a comunidade (profissionais de saúde, familiares, cuidadores) esteja alertada para esta problemática com o intuito de desenvolver e implementar estratégias que minimizem no dia-a-dia os riscos de sofrer uma queda nesta população – mas o tema da prevenção terá de ter direito a outro artigo, para ser convenientemente desenvolvido.

Alexandra Lopes

Alexandra Lopes

Fisioterapeuta da Fisiolar, licenciada em Fisioterapia pela Escola Superior de Saúde de Setúbal em 2004, Mestre na especialidade de Ciências da Fisioterapia pela Faculdade de Motricidade Humana em 2009 e Master em Técnicas Osteopáticas do Aparelho Locomotor pela Escuela de Osteopatia de Madrid em 2010.

Porquê deslocar-se, se vamos ter consigo?

Uma experiência verdadeiramente conveniente e diferenciadora.
Scroll to Top