Fisiolar

Fisiolar_escolha-consumidor-24

Igualdade de género no emprego

Sexta-feira, 26 Agosto, 2022

A Joana, chamemos-lhe assim, encontrou o seu emprego de sonho assim que saiu da universidade, formou-se em economia com média de 18 valores. Ingressou numa multinacional onde 85% dos trabalhadores eram homens.

Começou por baixo mas, rapidamente, foi dando cartas e sendo promovida. Ao fim de cinco anos na empresa geria uma equipa de 15 homens, sim a Joana era a única mulher a gerir equipas. Mas para ela nunca foi um problema, sempre foi bem tratada pelos colegas e não se sentia em nada inferior.

Para a Joana aquela empresa era a sua segunda casa, passava lá mais horas por dia do que as estipuladas por lei, viajava bastante e tinha como clientes grandes bancos internacionais para os quais preparava fusões e outras operações de grande envergadura.

Nunca um desafio profissional a travou. A profissão travou sim, a sua vida pessoal, optou por não ter filhos porque sabia que não iria conseguir manter o nível de exigência que o seu trabalho pedia, foi adiando outros tantos projetos pessoais porque no fundo sabia que facilmente poderia perder o seu posto para um homem. Mas a Joana lidava bem com isso, até que um dia tudo mudou.

A Joana tinha 20 anos de casa, um currículo invejável, prémios anuais e um bom vencimento ...

Foi em conversa informal com um colega que chefiava outra equipa e que tinha menos anos de experiência, que percebeu que ele recebia mais, muito mais do que ela… ficou chocada e percebeu qua afinal era penalizada por ser mulher, ela que tanto deu de si.

Infelizmente existem Joanas demais, a igualdade salarial entre géneros ainda está longe de ser uma realidade. É preciso mudar mentalidades, uma mulher é tão capaz quanto um homem e deve ser valorizada e justamente remunerada pelo trabalho desempenhado, não há justificação nenhuma que seja válida para que isto não aconteça.

Lutemos pela igualdade de género na saúde, no trabalho, no dinheiro, no conhecimento, no uso do tempo e no poder.

Vamos todos fazer parte da mudança.
 
Consulte aqui o Índice de Igualdade de Género em Portugal.
Adriana Mesquita

Adriana Mesquita

"Contadora de estórias"

Numa taça misturo: um pouco da experiência da minha vida, com factos de outras tantas vidas, adiciono um punhado de emoções e levo tudo para uma folha de papel. No final acontece magia que partilho com quem me lê.

Porquê deslocar-se, se vamos ter consigo?

Uma experiência verdadeiramente conveniente e diferenciadora.
Scroll to Top